Tela de Paul Klee


Diamante humano
Segue desvairado em abismos.
Desconhecido mar sanguinolento
Busca passagem no contorno final da saída.
Redemoinho de dobras quentes
Expulsa nave rubra em dor atômica.

Pela intimidade dos sentidos.
Em contrações e gritos
Explodem faíscas radiantes,
Mostrando a claridade que habita.

Projétil que respira e pulsa,
Pedaço de vida infinita,
Navega no barco das almas,
Num desconhecido destino.

Instinto migratório buscando vida terrena,
Sopro divino em espiral eterno.
Fenda de luz mostrando vontades,
Ranhura difusa prepara passagem.

Túnel final de desembarque,
Sopro vivo, sussurros de ondas
Recebido em êxtase pleno
Nos braços da nave-mãe oceânica.

Exibições: 28

Comentar

Você precisa ser um membro de Poetas Independentes para adicionar comentários!

Entrar em Poetas Independentes

Anuncie seu Livro aqui - Clik na imagem da capa

Novidade : Click no botão abaixo...

Este site é gerenciado pelos administradores e mantido por seu membros muito obrigado por sua colaboração !

Ajude a manter o site em funcionamento faça uma doação de qualquer valor
.

Ou se preferir torne-se um assinante permanente contribuindo anualmente com o valor de R$15,00

Assine : R$15,00 - Anualmente

© 2017   Criado por Marcio Marcelo do Nasc.Sena.   Ativado por

Credencial  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço