Mais uma volta nos ponteiros
Dos relógios seresteiros
E dos poetas do velho mundo
Eu que também escrevo do nada
É na noite silenciosa e calada
Que eu mergulho bem fundo

Pra ver se encontro o meu par
Vivo que nem bobo a admirar
Pelo mundão da minha janela
As prostitutas e os bêbados da rua
E lá em cima a garbosa lua
Que a cada dia parece mais bela

Como as pernas da minha vizinha
Que leva jeito de uma rainha
Parece uma pomba sem asa
Que quando vai ao supermercado
Me deixa aparvalhado
Passando na frente de casa!

Escrito as 17:47 hrs., de 18/03/2017 por
Nelson Ricardo

Exibições: 0

Comentar

Você precisa ser um membro de Poetas Independentes para adicionar comentários!

Entrar em Poetas Independentes

Novidade : Click no botão abaixo...

Este site é gerenciado pelos administradores e mantido por seu membros muito obrigado por sua colaboração !

Ajude a manter o site em funcionamento faça uma doação de qualquer valor
.

Ou se preferir torne-se um assinante permanente contribuindo anualmente com o valor de R$15,00

Assine : R$15,00 - Anualmente

© 2017   Criado por Marcio Marcelo do Nasc.Sena.   Ativado por

Credencial  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço