A florzinha que nasce
Na superfície da face
Do planeta que se chama Terra
A flor que inspira a paz
E que sempre nos traz
Tudo o que não imperra

Como a velocidade da luz
Por isso que sempre expus
Minha singela opinião
De que adoro comer salada
Natural ou temperada
Alface, couve ou agrião

A chuva parou e foi embora
E eu pergunto, e agora
Cadê o beijo que tu não me deu
E o abraço quente da paixão
Morena minha doce ilusão
Esse corpo eu sei que é meu!

Escrito as 10:17 hrs., de 14/03/2017 por
Nelson Ricardo

Exibições: 2

Comentar

Você precisa ser um membro de Poetas Independentes para adicionar comentários!

Entrar em Poetas Independentes

Novidade : Click no botão abaixo...

Este site é gerenciado pelos administradores e mantido por seu membros muito obrigado por sua colaboração !

Ajude a manter o site em funcionamento faça uma doação de qualquer valor
.

Ou se preferir torne-se um assinante permanente contribuindo anualmente com o valor de R$15,00

Assine : R$15,00 - Anualmente

© 2017   Criado por Marcio Marcelo do Nasc.Sena.   Ativado por

Credencial  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço