Poetas Independentes

Publicando idéias...realizando sonhos !!!

São dezenove e trinta e sete Eu tenho o meu canivete Que com ele escrevo seu nome No tronco de uma madeira
Deito-me sobre uma esteira
Enquanto aço a carne que tu comes

Nós dois juntos no mesmo prato
Depois de tomarmos banho no regato
De águas mornas e cristalinas
Pensando naquelas falenas
Beldade de mulheres morenas
Das peles sedentas e finas

E cabelos encaracolados
Seus nomes estão entalhados
Nas árvores do meu quintal
E isso vai muito alem
Quero formar um arem
Que não tenha o juízo final!

Escrito as 19:49 hrs., de 20/06/2018 por
Nelson Ricardo Ávila

Exibições: 16

Comentar

Você precisa ser um membro de Poetas Independentes para adicionar comentários!

Entrar em Poetas Independentes

Copie e Cole em Seu Blog

Carregando...

© 2018   Criado por Marcio Marcelo do Nasc.Sena.   Ativado por

Credencial  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço