Estou começando ficar com fome
Quando a manhã simplesmente some
Anunciando mais um meio dia
Corre o tempo e corre o mundo
Eu me jogo indo até o fundo
Pra me desfazer da agonia

Que entristece a semana inteira
E eu ponho tudo numa peneira
O que é farelo vai embora
E o que fica em cima é pureza
Como pura é a nobreza
E volta meiga sem demora

Para a coleira que deus lhe deu
A minha boca ela mordeu
Diz que fervendo de torpor
Então me salvou de morrer a míngua
E eu fui descendo a minha língua
Procurando o triangulo do amor!

Escrito as 11:28 hrs., de 13/04/2017 por
Nelson Ricardo

Exibições: 0

Comentar

Você precisa ser um membro de Poetas Independentes para adicionar comentários!

Entrar em Poetas Independentes

Novidade : Click no botão abaixo...

Este site é gerenciado pelos administradores e mantido por seu membros muito obrigado por sua colaboração !

Ajude a manter o site em funcionamento faça uma doação de qualquer valor
.

Ou se preferir torne-se um assinante permanente contribuindo anualmente com o valor de R$15,00

Assine : R$15,00 - Anualmente

© 2017   Criado por Marcio Marcelo do Nasc.Sena.   Ativado por

Credencial  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço