Poetas Independentes

Publicando idéias...realizando sonhos !!!

SÉCULO XXI - 2010!

"Em pleno século XXI, mantemo-nos sob coação centenárias na política traditória, em singular influência de mísera escravidão. Indefesos angularmente e vetados sócio-econômico-cultural de desenvoltura à progressão humano-político-optante."
A transição de ontem para hoje, traria uma abertura para a renovação republicana democrática e esperança nobre de justiça básica de direitos, voltada para um módulo desconexo.
Mais do que nunca, se viveu num trâmite e acatada índole defensiva pela libertação dum reprimido excesso regimentar, de forma que a nível nacional e respaldo ativo integral, não absorveu-se, o direito de ser e respeito mútuo.
O proclame ao pudor atinge um ápice de indefeso processo dirigível ao meio tempo, num interditar de perdure à opressão.
A dignidade humana na prepotencia política de atuais..anreriores, sequenciando autos,omondo versatilidades, ilustrando mudanças prévias, divisando normas, o parecer na forma de constituinte, fundindo-se à manifestação unilateral, sem grandeza de respeito ou unânimidade.
E na efetiva do irreal, a consciência do consenso público desqualifica aos déspotas, pela mão solidariedade, faltosos compromissos, etc. e alerta-os para a incoveniencia e implementação de falsas posturas.
Até agora, não há no mínimo uma apregoação simpática a toda politiquice, na sinceridade do cumprimento funcional em todo o decurso perecedor via regime imposto mantenedor e persistente, na demagôga e absurda fantasia para tal.
O incomum acontece na desvirtuação paralela do interno cupulista. A prepoteência impetra o martírio, o abandono, a miséria...
Assim, escala-se o pé do topo ropagado ao pedestal. Iniciando portanto, de mais a mais, o agrave. Desalentando até a maior perseverança, que carente de recomposição afaga devaneios de morosas resultancias, para efeito da desilusão.
O aditivo simples, simpático e paliante, é fluxo do fluir e verter contemplativo indefinível às características se emanam e defrontam-se ao oblíquo e concretismo.
E o confronto desaprimora, retarda, como base de prosseguir.
Não há lei sem razão, ou razão sem lei.
Cada consenso unificado seria a vazão de plenitude e visibilidade ara a retomada.
Como qualquer ética ou terminologia, a nova república relevante, revela teoricamente teses emigradas com equiparações aos indesejavéis momentos históricos aterrorizantes e agônitos ao alheio. E faz-se ao reinvidicado pudor popular; tornando assim esperante e virtuosa reforma enso-humana, atrelada ao incomum desfecho impetrado, por omissão representativa da confiança traida, ao gesto unânime.
Associam-se ideologias, divergidas ações, enfatizando a mesmice, sobretudo, o lado adicional para o efetuado marasmo.15/04/85
Simpatizarmos com indolências mistifica referência recessiva indigna.
Aitônomos da vida, pertence-nos VIVER! Pertence-nos viver, passo-a-passo, lado-a-face, rumo a conciliação conclusiva afora a hipocrisia.

Alvaro Sertano!
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

Exibições: 38

Comentar

Você precisa ser um membro de Poetas Independentes para adicionar comentários!

Entrar em Poetas Independentes


Autor
Comentário de Antonio Cícero da Silva(Águia) em 23 dezembro 2011 às 0:31

Meu caro  amigo Alvaro. Este é mais um dos seus brilhantes escrito... Sou seu fã... Abraços...

Copie e Cole em Seu Blog

Carregando...

© 2018   Criado por Marcio Marcelo do Nasc.Sena.   Ativado por

Credencial  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço