Autor
Dolores Jardim
  • 67, Feminino
  • Sao Paulo-Lisboa/Brasil/Portugal
  • Brasil
Compartilhar

Fãs do trabalho de Dolores Jardim

  • Denise Flor
  • Izabel Marques Fernandez
  • Gerente de Conteúdo
  • Lúcia Gönczy
  • VERONICA COSTA E SILVA
  • Sonia Medeiros Imamura
  • Patricia Neme
  • Lúcia Polonio
  • Maria do Rosário Carlos Barboza
  • Eduardus Poeta
  • Alessandro Silva Amendola
  • Alvaro Sertano
  • Sal Troccoli
  • Gianni Truvianni
  • gilson silva

Grupos de Dolores Jardim

 

Página de Dolores Jardim

Informações do Perfil

O que o motivou a criar sua pagina ?
O Amor pela poesia,para ajudar a divulgar os poetas e escritores.

Não sou poeta....nem escritora...apenas admiradora!

Agradeço a Marcio,pelo convite.
Agradeço a meus amigos poetas e escritores.

Aqui,sinto-me bem...sinto a alegria de poder estar ao lado de pessoas sensíveis de corpo e alma.

Sucesso a todos.

Poesia é vida!

Beijinhos!

Blog de Dolores Jardim

Dia de Finados

(imagem google)
O hábito de visitar os mortos, como se o cemitério fosse sala de visitas do Além, é cultivado desde as culturas mais remotas. Mostra a tendência em confundir o indivíduo com seu corpo. Há pessoas que, em desespero ante a morte de um ente querido, o "VISITAM" diariamente. Chegam a…
Leia Mais

Postado em 2 novembro 2011 às 23:24

Boa-noite!

 Que a paz e a harmonia reinem em vossas casas.

A bondade e a caridade estejam presentes em vosso cotidiano.

Beijinhos a todos.

(Imagem…

Leia Mais

Postado em 2 novembro 2011 às 23:17

Nobel de Literatura 2011

 

 

 

O sueco Tomas Tranströmer foi o vencedor do Prêmio Nobel de Literatura 2011. O anúncio foi feito às 13h (8h de Brasília) nesta quinta-feira (6) na sede da Academia Sueca em Estocolmo. Segundo a Academia,…

Leia Mais

Postado em 22 outubro 2011 às 0:03

Aconteceu!

Dia 15 de outubro de 2011, na cidade do Rio de Janeiro,no Museu da República, na Rua do Catete, lançamento do segundo livro de poesias de Luiza Caetano, cujo título é "POEMAS DE AMOR E DE RAIVA".

A autora esteve presente, autografando e recebendo seus amigos e fãs que lá compareceram, para prestigiar uma vez mais esta poeta/escritora/pintora de Arte Naif, que escolhe o Brasil, para lançar seus livros sempre em primeira…

Leia Mais

Postado em 17 outubro 2011 às 0:27

Caixa de Recados (86 comentários)

Você precisa ser um membro de Poetas Independentes para adicionar comentários!

Entrar em Poetas Independentes

Às 14:43 em 11 setembro 2011,
Autor
Elizaete Ribeiro
disse...
Em 6:26pm on julho 23, 2011, Milton Roza Junior deu para Dolores Jardim um presente...
Autor
Presente
Olá amigos, desculpe a falta de retorno, estava e estou trabalhando muito. Dedico um presentes para vocês. Um abraço fraterno. NAMASTÊ.
Às 1:34 em 7 agosto 2010,
Autor
Doroty Dimolitsas
disse...
Minha amiga querida
boa noitete deixo aqui nossa programação da Bienal

21ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo 2010

12 a 22 de agosto - 10h às 22h

Local: Pavilhão de Exposições do Anhembi

A "Biblioteca 24x7" participará da 21ª Bienal internacional do livro de São Paulo

e, 15/08 - das 14 as 16 horas, estará lançando o livro "CORUJA MITOLÓGICA" de
Dora Dimolitsas

stand localizado à Rua M58

*Antologia Delicatta e Alimento da Alma serão lançados no mesmo dia.
Às 16:25 em 19 março 2010,
Autor
Elisabeth Mota Barbosa.
disse...
.

De momentos que passaram

De momentos que passei

São todas palavras bem ditas

Palavras já removidas

Que nunca repetirei.

Existem folhas em branco,

Dessas não posso falar,

Dessas eu quero esquecer,

Existem momentos difíceis

Momentos só meus

Momentos que fazem sofrer...

As folhas que são coloridas,

Recordam momentos felizes

Recordam lembrança de amor,

Nelas eu sinto perfume

Nelas eu sinto vida

Nelas eu sinto calor...

Não repare as folhas borradas

Estas me fazem crescer

Estas me fazem subir,

Foram pessoas mal amadas

Pessoas desamparadas

Que me fizeram cair...

Aquelas que estão coladas

Não tente abrir pela força

Não tente jamais descolar

São nestas folhas grudadas

Que juntei minhas forças aladas

E consegui levantar.

E como nesse poema

Sem construção retilínea

Sem construção tão bonita

É que rabisco esses versos

É que neles escrevo

A história da minha vida.
Apagar comentárionSssGBX5Ygw0ewNhYhYSm7fsjF7Wit/2053958131280.jpg?width=721" alt=""/>

.
Às 10:31 em 6 março 2010,
Autor
Gerente de Conteúdo
disse...
Olá sua nova senha esta na caixa de mensagem:
Às 21:30 em 17 janeiro 2010,
Autor
Iza*Bel Marques Fernandez
disse...
Amiga querida, que agradável também nos encontrarmos aqui.
Boa noite.
Beijinhos
Às 21:18 em 17 janeiro 2010,
Autor
Iza*Bel Marques Fernandez
disse...
Boa noite amiga querida.Feliz por nos encontrarmos aqui também.Beijinhos
Às 17:31 em 1 janeiro 2010,
Autor
Elisabeth Mota Barbosa.
disse...

. BrasilAirla
Brasil terra da diversidade
Cultural e da saudade
Vem mostrar os teus valores...
O Brasil tem samba no pé
Tem pagode, swing e axé.
Ritual e até candomblé...

Brasil, Brasil, Brasil, Brasil

A tua inocência o deixou
Que a esperteza do senhor
Roubasse todo o teu valor

Brasil, Brasil, Brasil, Brasil

E mudasse toda a tua história
Travando guerras entre si
Dividindo os tupi e guarani...
O índio primórdio da nação
Morando em nosso coração
Brasil és tu nossa questão

Brasil, Brasil, Brasil, Brasil

A tua inocência o deixou
Que a esperteza do senhor
Roubasse todo o teu valor
O Brasil tem samba no pé
Tem pagode, swing e axé.
Ritual e até candomblé...

Brasil, Brasil, Brasil, Brasil

Esse é o país do nosso encanto
Aonde canta o uirapuru
E o índio faz seu ritual

Brasil, Brasil, Brasil, Brasil

Invocando o Tupã e a Jaci
Tinha como língua o guarani
Lenda, pajé e tipiti
O índio primórdio da nação
Morando em nosso coração
Brasil és tu nossa questão

Brasil, Brasil, Brasil, Brasil
Às 6:00 em 31 dezembro 2009,
Autor
Elisabeth Mota Barbosa.
disse...
Às 9:12 em 20 dezembro 2009,
Autor
Elisabeth Mota Barbosa.
disse...
POEMA DE NATAL.
O sino da minha aldeia,
Dolente na tarde calma,
Cada tua badalada
Soa dentro de minha alma.

E é tão lento o teu soar,
Tão como triste da vida,
Que já a primeira pancada
Tem o som de repetida.

Por mais que me tanjas perto
Quando passo, sempre errante,
És para mim como um sonho.
Soas-me na alma distante.

A cada pancada tua,
Vibrante no céu aberto,
Sinto mais longe o passado,
Sinto a saudade mais perto.

Fernando Pessoa.
 
 
 

Anuncie seu Livro aqui - Clik na imagem da capa

Novidade : Click no botão abaixo...

Este site é gerenciado pelos administradores e mantido por seu membros muito obrigado por sua colaboração !

Ajude a manter o site em funcionamento faça uma doação de qualquer valor
.

Ou se preferir torne-se um assinante permanente contribuindo anualmente com o valor de R$15,00

Assine : R$15,00 - Anualmente

© 2017   Criado por Marcio Marcelo do Nasc.Sena.   Ativado por

Credencial  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço